terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Esperança

Por Mário Quintana


Lá bem no alto do décimo segundo andar do Ano
Vive uma louca chamada Esperança
E ela pensa que quando todas as sirenas
Todas as buzinas
Todos os reco-recos tocarem
- Ó delicioso vôo!
Ela será encontrada miraculosamente incólume na calçada,
Outra vez criança...
E em torno dela indagará o povo:
- Como é teu nome, meninazinha de olhos verdes?
E ela lhes dirá
(É preciso dizer-lhes tudo de novo!)
Ela lhes dirá bem devagarinho, para que não esqueçam:
- O meu nome é ES-PE-RAN-ÇA...

Extraído de "Literatura Comentada" - Abril Educação, 1982.
Fotografia: Luciene Honesko

Pesquisar

Seguir por E-mail

Tags

Amizade Amor Lealdade Maísa Bortoletto Fabiana Ribeiro Saudade Carinho Companheirismo Fé Esperança Poesia Poema Literatura Rubem Alves Dor Perdão Felicidade Paz Mário Quintana Regina Volpato Lya Luft Charles Chaplin Coragem Aniversário Camões Música Anos 70 José Saramago Martha Medeiros Elegância Correria Vida Moderna Mulher Pai Mãe Filhos