quinta-feira, 11 de julho de 2013

Atitudes que drenam energia


1 – Pensamentos obsessivos
Pensar gasta energia, e todos nós sabemos disso. Ficar remoendo um problema cansa mais do que um dia inteiro de trabalho físico. Quem não tem domínio sobre seus pensamentos – mal comum ao homem ocidental, torna-se escravo da mente e acaba gastando a energia que poderia ser convertida em atitudes concretas, além de alimentar ainda mais os conflitos. Não basta estar atento ao volume de pensamentos, é preciso prestar atenção à qualidade deles. Pensamentos positivos, éticos e elevados podem recarregar as energias, enquanto o pessimismo consome energia e atrai mais negatividade para nossas vidas.
2 – Sentimentos tóxicos
Choques emocionais e raiva intensa também esgotam as energias, assim como ressentimentos e mágoas nutridos durante anos seguidos. Não é à toa que muitas pessoas ficam estagnadas e não são prósperas. Isso acontece quando a energia que alimenta o prazer, o sucesso e a felicidade é gasta na manutenção de sentimentos negativos. Medo e culpa também gastam energia, e a ansiedade descompassa a vida. Por outro lado, os sentimentos positivos, como a amizade, o amor, a confiança, o desprendimento, a solidariedade, a auto-estima, a alegria e o bom-humor recarregam as energia e dão força para empreender nossos projetos e superar os obstáculos.
3 – Maus hábitos – Falta de cuidado com o corpo
Descanso, boa alimentação, hábitos saudáveis, exercícios físicos e o lazer são sempre colocados em segundo plano. A rotina corrida e a competitividade fazem com que haja negligência em relação a aspectos básicos para a manutenção da saúde energética.
4 – Fugir do presente
As energias são colocadas onde a atenção é focada. O homem tem a tendência de achar que no passado as coisas eram mais fáceis: “bons tempos aqueles!”, costumam dizer. Tanto os saudosistas, que se apegam às lembranças do passado, quanto aqueles que não conseguem esquecer os traumas, colocam suas energias no passado. Por outro lado, os sonhadores ou as pessoas que vivem esperando pelo futuro, depositando nele sua felicidade e realização, deixam pouca ou nenhuma energia no presente. E é apenas no presente que podemos construir nossas vidas.
5 – Falta de perdão
Perdoar significa soltar ressentimentos, mágoas e culpas. Libertar o que aconteceu e olhar para frente. Quanto mais perdoamos, menos bagagem interior carregamos, gastando menos energia ao alimentar as feridas do passado. Mais do que uma regra religiosa, o perdão é uma atitude inteligente daquele que busca viver bem e quer seus caminhos livres, abertos para a felicidade. Quem não sabe perdoar os outros e si mesmo, fica ”energeticamente obeso”, carregando fardos passados.
6 – Mentira pessoal
Todos mentem ao longo da vida, mas para sustentar as mentiras muita energia é gasta. Somos educados para desempenhar papéis e não para sermos nós mesmos: a mocinha boazinha, o machão, a vítima, a mãe extremosa, o corajoso, o pai enérgico, o mártir e o intelectual. Quando somos nós mesmos, a vida flui e tudo acontece com pouquíssimo esforço.
7 – Viver a vida do outro
Ninguém vive só e, por meio dos relacionamentos interpessoais, evoluímos e nos realizamos, mas é preciso ter noção de limites e saber amadurecer também nossa individualidade. Esse equilíbrio nos resguarda energeticamente e nos recarrega. Quem cuida da vida do outro, sofrendo seus problemas e interferindo mais do que é recomendável, acaba não tendo energia para construir sua própria vida. O único prêmio, nesse caso, é a frustração.
8 – Bagunça e projetos inacabados
A bagunça afeta muito as pessoas, causando confusão mental e emocional. Um truque legal quando a vida anda confusa é arrumar a casa, os armários, gavetas, a bolsa e os documentos, além de fazer uma faxina no que está sujo. À medida em que ordenamos e limpamos os objetos, também colocamos em ordem nossa mente e coração. Pode não resolver o problema, mas dá alívio. Não terminar as tarefas é outro “escape” de energia. Todas as vezes que você vê, por exemplo, aquele trabalho que não concluiu, ele lhe “diz” inconscientemente: “você não me terminou! Você não me terminou!” Isso gasta uma energia tremenda. Ou você a termina ou livre-se dela e assuma que não vai concluir o trabalho. O importante é tomar uma atitude. O desenvolvimento do auto-conhecimento, da disciplina e da terminação farão com que você não invista em projetos que não serão concluídos e que apenas consumirão seu tempo e energia.
9 – Afastamento da natureza
A natureza, nossa maior fonte de alimento energético, também nos limpa das energias estáticas e desarmoniosas. O homem moderno, que habita e trabalha em locais muitas vezes doentios e desequilibrados, vê-se privado dessa fonte maravilhosa de energia. A competitividade, o individualismo e o estresse das grandes cidades agravam esse quadro e favorecem o vampirismo energético, onde todos sugam e são sugados em suas energias vitais.
(Autor Desconhecido)

segunda-feira, 11 de março de 2013

A dor e a dor de Chorão

Fonte: Mulher 7x7 (Revista Época, 10/03/13)
Por: Mônica El Bayeh
Sugestão: Bruna Jardim

A morte do Chorão caiu dura e seca em mim como caem as mortes jovens.  A morte nunca nos cai bem.  Mas, em alguns casos, ela espeta com mais força e a gente sangra por dentro. Sangrei por dentro com a morte do Chorão pelo que ele simbolizou em vida, sim.  Mais ainda, pelo que ele simbolizou em morte.
Chorão nos ensinou em morte que as dores da alma matam.  Não adianta fugir, elas correm atrás, perseguem sua presa.  ¨Quando a casa cai, não dá para fraquejar.  Quem é guerreiro tá ligado, quem é guerreiro é assim¨.  Mas alguns guerreiros acham que a luta é contra a dor. E é aí que perdem a batalha.
A dor maltrata.  Mas não é nossa inimiga.  Dor é sintoma, é alerta.  Tem que ser escutada.  Dor é luz de óleo de carro quando acende.  Não é contra a luz que se tem que lutar.  Precisa escutar a mensagem que ela traz.  Ou você toma providência ou bate o motor.  Quando a dor foi maior do que ele conseguia suportar, na ilusão de buscar a fuga, Chorão caiu na boca do predador.  Foi engolido pela própria dor.
Todos temos nossas dores.  Na minha opinião, elas se dividem em grandes e pequenas.  Grandes, sempre as nossas.  Pequenas, as dos outros.
Nossas dores são sempre as piores, porque são as que nos tocam, nos cortam, nos ferem.  As dos outros podemos imaginar – e dar muitos palpites.  Porque nos outros tudo sempre parece de muito mais fácil solução.
Dor é cano estourado, é insuportável, é urgência.  Tem que resolver, estancar.  Isso é só o que se pensa na hora do desespero.  Todos já passamos por isso.  Cada um estanca como pode, nem sempre da melhor forma, apenas da forma possível.  Sobreviver já é lucro.
Não cabe aqui nenhum juízo de valor, nenhum julgamento.  Cada um conserta seu cano como pode no momento.  Só que, se eu tampo com chiclete, com toalha, num remendo mal ajeitado, tenho que saber que vai vazar e agravar muito o meu problema mais à frente.
Porque a dor é como a água, procura seu curso.  Ou a gente para, enxerga ,tenta resolver e dar passagem para que ela nos conte a que veio, ou ela infiltra e se esgueira por outras direções.
Há pessoas que sentem pelo corpo:  têm enxaquecas, dores de barriga, de estomago, de coluna, pedras nos rins.  É a dor buscando seu curso.  A dor busca expressão.  É a forma que ela tem para mostrar que precisa ser cuidada.  O sintoma é um pedido de socorro sempre.
Uns dormem para esquecer. Outros  não dormem, porque não conseguem esquecer. Noites e noites em claro.
Há os que falam sem parar, e os que se calam completamente.  Os que fumam muito, bebem muito ou mergulham de cabeça numa panela de brigadeiro e os que param de comer.  Tem os que se drogam com remédios ou drogas não oficiais.  Em todos eles podemos ler o pedido de socorro estampado no olhar.  Em todos eles o grito mudo da dor.  A vida lhes dói, corta a carne por dentro e eles não sabem remendar esse cano para resolver e estancar de vez.  Nos olham perdidos, molhados de dor no meio da inundação.
Aflitos, muitas vezes tentamos ajudar.  Aí entra a questão da solidão.  Vida é solidão, sim.  Não quero dizer com isso que seja ruim, triste nem solitário.  Mas, como disse o próprio Chorão, ¨nascemos sozinhos e morremos sozinhos¨.
Nesse meio tempo, as decisões também são só nossas, por mais que tenhamos família, amigos, parceiros, ¨uma palavra amiga , uma notícia boa¨.  Por mais que larguemos ou deleguemos, a decisão sempre será nossa.  Na hora de ir ou ficar, na hora de começar ou separar, na hora do vamos ver, a decisão é só nossa.  Ninguém no seu lugar.  Isso é que é solitário.
Sempre tive horror de hospitais e cirurgias.  No meu primeiro parto, escutava o barulho da maca no corredor vindo me buscar.  Pagaria todo o meu ouro, que nem é tanto assim, para quem quisesse trocar comigo.  Poucas vezes na vida me vi tão só.  Era eu, não servia mais ninguém. Isso é a solidão.  O quarto estava cheio.  Fez diferença?  Nenhuma.  A barriga da vez era a minha, ninguém podia ir no meu lugar.  Então eu fui, com medo e tudo. Porque quando a vida não dá saída, a saída é ir.
Essa sensação de que não-tem-jeito-tem-que-ir é levemente aterrorizante.  ¨Mas também quero te mostrar que existe um lado bom nessa história¨.  A coragem de se lançar, mesmo com medo – e nem é pouco – deixa um gosto de vitória que compensa, ao final. Se fingirmos não ver nossas dores, nossas questões mais doídas, largamos de mão e não tomamos posição, essa já é uma posição.  Pesado, ruim?  Não penso assim.
É complicado no início tomar posse da sua vida, segurar no volante e definir a direção.  ¨Mas o tempo é rei, a vida é uma lição.  E um dia a gente cresce, conhece a essência, ganha a experiência e aprende o que é raiz, então cria a consciência¨.
Um leme bem manuseado impede que o barco fique à deriva, ou bata em tudo e acabe por naufragar.  Assumir o lema da própria vida é difícil.  À primeira vista, parece que não vamos conseguir.  Mas “para quem tem pensamento forte, impossível é só questão de opinião.  E disso os loucos sabem.
Somos solitários desde sempre.  Mas, a loucura de quem aposta na vida e tenta buscar socorro às vezes é única sanidade possível.  Saímos vitoriosos quando aprendemos a lidar com a dor.  E ¨quanto mais a gente rala, mais a gente cresce¨.
A morte do Chorão, um rapaz novo, talentoso ¨com habilidade de fazer histórias tristes virarem melodia¨, que cantava esperança para todos nós, caiu como uma bigorna daquelas de história em quadrinhos, que deixa o personagem achatado e sem forma por um tempo.  Ainda me sinto achatada e grudada no chão.
Chorão somos todos nós, com nossas dores e nossa solidão.  Com ¨nossas histórias, dias de luta e dias de glória¨.  Chorão, te devemos mais essa.  Que sua morte caia em nós como um grito de guerra pela vida.  Vamos continuar tentando ¨viver e cantar não importa qual seja o dia.  Vamos viver, vadiar, o que importa é nossa alegria¨.
Chorão, ¨você deixou saudade¨.
* Mônica El Bayeh é professora e psicóloga. Leia seus outros textos aqui e conheça seu blog.

domingo, 24 de fevereiro de 2013

What a Wonderful World

Vídeo produzido pela BBC com David Attenborough narrando a música "What a Wonderful World", de Bob Thiele e George David Weiss, interpretada por Louis Armstrong em 1967.
Cenas do documentário VIDA.

Pesquisar

Seguir por E-mail

Tags

Amizade Amor Lealdade Maísa Bortoletto Fabiana Ribeiro Saudade Carinho Companheirismo Fé Esperança Poesia Poema Literatura Rubem Alves Dor Perdão Felicidade Paz Mário Quintana Regina Volpato Lya Luft Charles Chaplin Coragem Aniversário Camões Música Anos 70 José Saramago Martha Medeiros Elegância Correria Vida Moderna Mulher Pai Mãe Filhos